Como aproveitar as liquidações de volta às aulas

Depois do carnaval, sempre chega aquele momento – às vezes, nem sempre esperado – de voltas às aulas. E claro, com ele vem as grandes liquidações, promoções imperdíveis e condições de parcelamento apaixonantes. 

Mesmo estando em Março, ainda é possível correr atrás do tempo perdido e em garantir economia para aproveitar bons preços! Além disso,  quem está com o “nome sujo” podem se beneficiar desse momento: você sabia que existe empréstimo para negativado?

Neste artigo, falaremos um pouco mais sobre a questão – além de dar algumas dicas para que você possa aproveitar bem as liquidações de volta às aulas e não deixar as crianças na mão ou ficar no vermelho. 

Empréstimo para negativado: como funciona?
Vamos lá: negativados são pessoas que estão com o CPF registrado no SPC ou Serasa, por conta de inadimplência. Quando isso acontece, pode ser bastante difícil fazer compras, ou fazer algum tipo de acordo com débitos universitários. .

O empréstimo para negativado, neste ínterim, surge como uma boa alternativa para os que estão precisando de dinheiro com urgência – o que é normal no final do ano, diga-se de passagem.

Mas atenção: a ideia é utilizar o empréstimo para quitar dívidas existentes de semestres anteriores ou fazer a compra de novos materiais ou instrumentos para a faculdade e, assim,  contrair apenas uma dívida final, que pode ser parcelada e ter valores que são condizentes com o poder aquisitivo do consumidor.

Alguns cuidados são necessários para não contrair mais dívidas e acabar em situação mais séria.

Planejamento financeiro
Idealmente, o dinheiro que você pegar emprestado deve ser o suficiente para quitar as dívidas existentes. Em muitos casos, a rematrícula de universidades e colégios particulares só pode ser feita após a quitação de débitos anteriores. 

Só saber disso não é o bastante, porém: é preciso verificar se o valor das parcelas e a taxa de juros compensam e se você terá condições de arcar, a longo prazo, com elas.

Lembre-se: se você não puder pagar o empréstimo que fez, a tendência é a sua situação financeira ficar ainda pior. Não arrisque.

Como fazer a conta fechar no final do mês?
De novo: planejamento financeiro. Faça uma lista com as suas contas e separe aquilo que é essencial daquilo que não é. 

Mês a mês, anote as suas despesas em uma planilha. Aos poucos, você vai conseguir entender melhor o seu perfil de gastos e criar um rumo de ação mais coerente com as suas dívidas e necessidades financeiras.

Avaliar a necessidade
Quem tem crianças em casa, sabe a festa que é a hora de comprar os novos materiais escolares e, por isso, nem sempre pode ser uma boa alternativa levá-las para esse momento. 

Antes de comprar, pense: isso faz sentido para mim ou para quem vai receber o presente? Será útil de forma duradoura ou terá vida curta? Pode ser substituído por outro sem que haja perda de qualidade?

Se você acreditar que é imprescindível comprar uma determinada marca ou produto, pesquise ainda assim: os preços variam de acordo com quem vende, como bem sabemos, e as condições de pagamento e parcelamento também podem variar.

Tomar cuidado com os juros
Pode ser necessário fazer o parcelamento dos artigos adquiridos, especialmente se eles forem de grande porte, como jalecos universitários ou livros de grandes autores. 

Em casos do gênero, vale a lei do bom senso – sempre pergunte se é necessário ou não antes de comprar! – e a investigação das condições de parcelamento.

Se o lugar cobra juros altos, opte por outro estabelecimento. Se o que você quer não puder ser encontrado em outro local, reavalie: é possível, de novo, substituí-lo por um equivalente? Se a resposta for sim, vá pelo que é mais financeiramente viável.

Verifique os valores
Viu um preço na internet, foi até o estabelecimento físico e viu que o preço era diferente? 

O Código de Defesa do Consumidor (CDC) estabelece que o fornecedor precisa cumprir com todas as ofertas de produtos que veicular. Se a oferta não for cumprida, é possível contar com material publicitário para fazer valerem os seus direitos.

Por falar em direitos, lembre-se que todo produto durável tem garantia legal de noventa dias. 

A garantia estendida não é obrigatória, mas pode ser adquirida. Se você está com o orçamento apertado, prefira deixar o produto com a sua garantia original.

Comprar produtos com pequenos defeitos ou de mostruário é uma boa ideia?
Depende. O ideal é que você prefira artigos duráveis que não foram utilizados por outras pessoas, expostos por muitos dias ou reembalados, mas é fato: eles sempre custam mais barato.

Se você quiser, pode solicitar à loja que faça um recibo ou pedido bem completo, com todos os arranhões, detalhes e pequenos defeitos presentes nos produtos arrematados.

Isso não significa, no entanto, que a loja é obrigada a fazer a troca do produto por outro.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here